22/10/09

Diamante de Hommel


O diagrama de Hommel, mundialmente conhecido pelo código NFPA 704 — mas também conhecido como diamante do perigo ou diamante de riscoAssociação Nacional para Proteção contra Incêndios (em inglês: National Fire Protection Association), dos Estados Unidos da América. Nela, são utilizados losangos que expressam tipos de risco em graus que variam de 0 a 4, cada qual especificado por uma corriscos específicos, risco à saúde, reatividade e inflamabilidade. —, é uma simbologia empregada pela (branco, azul, amarelo e vermelho), que representam, respectivamente,
Quando utilizada na rotulagem de produtos, ela é de grande utilidade, pois permite num simples relance, que se tenha idéia sobre o risco representado pela substância ali contida.
Diferentemente das placas de identificação, o diamante de HOMMEL não informa qual é a substância química, mas indica todos os riscos envolvendo o produto químico em questão.

Os números necessários para o preenchimento do Diamante de Hommel variam de 1 a 4 conforme os riscos apresentados pela substância química perigosa, podendo também constar no diagrama os riscos específicos dessa substância:


Azul/Risco à Saúde

  • 4.  Exposição muito curta já pode causar a morte ou maior dano residual (exemplo: Cianeto de hidrogênio);
  • 3.  Exposição curta pode causar danos residuais ou temporários (exemplo: gás cloro);
  • 2.  Exposição intensa ou continuada, mas não crônica, pode causar incapacidade temporária ou danos residuais (exemplo: clorofórmio);
  • 1.  Exposição pode causar irritação com apenas danos residuais leves (exemplo: turpetina);
  • 0.  Não apresenta danos à saúde. Não são necessárias precauções (exemplo: lanolina).

Vermelho/Inflamabilidade

  • 4.  A substância será rapidamente ou completamente vaporizada nas condições normais de temperatura e pressão, ou prontamente dispersa pelo ar, queimando-se instantaneamente (exemplo: propano, com ponto de fulgor menor do que 23 °C);
  • 3.  Líquidos e sólidos que podem inflamar-se sobre praticamente todas as condições de temperatura ambiente (exemplo: gasolina, com ponto de fulgor abaixo de 38 °C e acima de 23 °C);
  • 2.  A substância precisa estar moderadamente quente ou exposto a temperatura ambiente relativamente alta para inflamar-se (exemplo: diesel, com ponto de fulgor entre 38 °C e 93 °C);
  • 1.  É necessário que esteja pré-aquecida antes de inflamar-se (exemplo: óleo de canola, com ponto de fulgor acima de 93 °C).
  • 0.  Não irá queimar (exemplo: água).

Amarelo/Reatividade

  • 4.  Instantâneamente capaz de detonar-se ou explodir em condições normais de temperatura e pressão (exemplo: nitroglicerina);
  • 3.  Capaz de detonação ou explosão, mas o material requer uma forte fonte de ignição e precisa ser pré-aquecido sob confinamento, reagir com a água ou detonado se sofrer um grande impacto (exemplo: fluorina);
  • 2.  Reage ao sofrer mudança química violenta sob elevada temperatura e pressão, reação violenta ou formar misturas explosivas com a água (exemplo: fósforo);
  • 1.  Normalmente estável, mas pode tornar-se instável em temperaturas e pressão elevadas (exemplo: cálcio);
  • 0.  Normalmente estável, mesmo sobre condições de exposição ao fogo, e não é reativo com a água (exemplo: hélio);

Branco/Riscos específicos

A área branca pode conter diversos símbolos:
Nota: Somente os símbolos 'W' e 'OXY' são parte oficial do padrão NFPA 704, mas os outros símbolos auto-explicativos são freqüentemente usados de maneira não oficial.
Os números necessários para o preenchimento do Diamante de Hommel encontram-se disponíveis para consulta nos endereços:  
, ou qualquer outro site ou livro que contenha fichas FISPQ (Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico), também chamadas de fichas MSDS (Material Safety Data Sheet). 


Fonte:
  • PEREIRA, Diego Xavier. O Guia Prático de Química Ilustrado. Lorena:Escola de Engenharia de Lorena - USP. 2006. Pp. 10-11 e 12.
  • SASSIOTTO, Maria Lúcia Passarelli. Manejo de Resíduos de Laboratórios Químicos em Universidades - Estudo de Caso do Departamento de Química da UFSCAR. São Carlos:Universidade Federal de São Carlos. 2005.



 

2 comentários:

Anônimo disse...

Gostei, muito interessante

Anônimo disse...

Gostei, muito bom.